Home
Reflexão


Reflexão | Por que sofremos tanto?
Thursday, 16 May 2019 00:00


Outras pessoas vão mais além desta questão: “Por que Deus, sendo soberanamente justo e bom, permite que a sua criação sofra”? Na verdade, ninguém tem o destino do sofrimento, somos criados simples e ignorantes para que possamos evoluir através de nosso ego. As dificuldades são muitas vezes um reflexo da nossa conduta moral, do caráter e, sobretudo, de nossas ações. É a aplicação da lei de causa e efeito.

O ser humano tem sempre a necessidade de buscar algo, como forma de aliviar o sofrimento – paz, prosperidade, amor, bens materias – mas sempre se apresenta insatisfeito com o que tem e o que é. Hoje, a humanidade apresenta uma desnutrição de calor, de vivenciar e se relacionar com outros, desidratado do desconhecimento da razão de viver. O maior mal é aquele que criamos dentro nós mesmos, pelos nossos próprios vícios, aqueles que provêm de orgulho, egoísmo, ambição, de exageros nas suas expectativas.

O sofrimento é algo antigo, vem da nossa origem, em um passado muito distante. No início, quando a luta pela sobrevivência era a única preocupação humana, destacavam-se os padecimentos físicos e lutas pela sobrevivência. Na medida em que a mente foi se desenvolvendo, surgiram também as aflições do Ser, pautadas em suas vivências, problemas existenciais, angústias morais, frutos de suas próprias escolhas.

“Descobri que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive. Descobri também que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus.” (Ecl. 3:12-13). Sofremos muitas vezes porque resolvemos não sair das situações que nos fazem infelizes. A origem da nossa dor parte de duas fontes distintas: as que são geradas na vida presente e as que têm origem em vivências agarradas ao nosso passado. Então devemos interpretar o sofrimento como uma espécie de punição? Tenho uma história para lhe contar:

Um filósofo passeava por uma floresta com um discípulo, conversando sobre a importância dos encontros inesperados. Segundo o mestre, tudo o que está diante de nós nos traz uma chance de aprender ou ensinar. Neste momento, cruzavam a porteira de um sítio que, embora muito bem localizado, tinha uma aparência miserável.

“Veja este lugar”, comentou o discípulo. “O senhor tem razão: acabo de aprender que muita gente está no Paraíso, mas não se dá conta e continua a viver em condições miseráveis”.

“Eu disse aprender e ensinar”, retrucou o mestre. “Constatar o que acontece não basta, é preciso verificar as causas, pois só entendemos o mundo quando entendemos as causas”.

Bateram à porta e foram recebidos pelos moradores: um casal e três filhos, com as roupas rasgadas e sujas. “O senhor está no meio desta floresta e não há qualquer comércio nas redondezas”, disse o mestre para o pai de família. “Como sobrevivem aqui?”.

E o senhor, calmamente, respondeu: “Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto nós vendemos ou trocamos na cidade vizinha por outros gêneros de alimentos; com a outra parte nós produzimos queijo, coalhada, manteiga para o nosso consumo. E assim vamos sobrevivendo”.

O mestre agradeceu a informação, contemplou o lugar por um momento e foi embora. No meio do caminho, disse ao discípulo: “Pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali em frente, e jogue-a lá embaixo.

“Mas ela é a única forma de sustento daquela família!”, retrucou o discípulo.

O mestre permaneceu mudo. Sem ter outra alternativa, o rapaz fez o que lhe era pedido e a vaca morreu na queda”.

A cena ficou marcada na memória do discípulo. Depois de muitos anos, quando já era um empresário bem-sucedido, resolveu voltar ao mesmo lugar, contar tudo àquela família, pedir perdão e ajudá-los financeiramente. Qual foi sua surpresa ao ver o local transformado num belo sítio, com árvores floridas, carro na garagem e algumas crianças brincando no jardim. Ficou desesperado, imaginando que a família humilde tivera que vender o sítio para sobreviver. Apertou o passo e foi recebido por um caseiro muito simpático.

“Para onde foi a família que vivia aqui há dez anos?”, perguntou.

“Continuam donos do sítio”, foi a resposta.

Espantado, ele entrou correndo na casa e o senhor o reconheceu. Perguntou como estava o rapaz, mas o rapaz estava ansioso demais para saber como conseguira melhorar o sítio e ficar tão bem de vida.

“Bem, nós tínhamos uma vaca, mas ela caiu no precipício e morreu”, disse o senhor. “Então, para sustentar minha família, tive que plantar ervas e legumes. As plantas demoravam a crescer e comecei a cortar madeira para venda. Ao fazer isto, tive que replantar as árvores e necessitei comprar mudas. Ao comprar mudas, lembrei-me da roupa de meus filhos e pensei que podia talvez cultivar algodão. Passei um ano difícil, mas quando a colheita chegou, eu já estava exportando legumes, algodão, ervas aromáticas. Nunca havia me dado conta de todo o meu potencial aqui. Não sabia que a vaquinha era o que segurava à minha miséria”, contou

Apesar de bem-humorada, essa história nos ensina muitas lições. Todos nós precisamos descobrir qual é a vaquinha da nossa vida. Como devemos eliminar certas coisas que nos impedem para viver bem conosco mesmo e com os outros. Tenho uma palavra para lhe dar hoje: a felicidade depende completamente do que está incutido dentro de você, e não uma repercussão do que acontece ao seu redor ou situações a sua volta. Todos nós sofremos. Se você está vivo, vai experimentar sofrimento. Mas alguns entendem e descobrem que o segredo da felicidade vem por meio do sofrimento.

“A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.” (Mary Cholmondeley)

Para conhecer a causa do sofrimento, basta consultar a nossa própria consciência. Os nossos tormentos são reflexos de nossas decisões ou omissões, das atitudes egoístas, do orgulho e da vaidade que ainda domina nosso íntimo. As doenças físicas que sempre nos proporcionam momentos difíceis, são ocasionadas pelos excessos e a falta de cuidado para com a matéria. Ninguém mais é responsável por nossos dissabores, a não ser nós mesmos.

É verdade que ninguém em sã consciência busca o sofrimento. Não podemos escolher sofrer ou deixar de sofrer. Mas podemos escolher o que fazer com ele, sem medo de mudar ou de perder, aprendendo com ele, conscientes de que Deus, em sua infinita bondade, nos apresenta sempre oportunidades para escolhermos o novo, ampliando a possibilidade de crescermos e progredirmos.

Encare, portanto, o sofrimento como oportunidade de regeneração, de corrigir, educar, aperfeiçoar, exaltar, redimir e glorificar a alma humana. A chave para a felicidade está em nossas mãos. “Bem-aventurados os aflitos… porque deles é o Reino dos Céus” (Mateus, 5:4,6 e 10). Como aliviar as dores do que não foi vivido? A resposta é simples: Se iludindo menos e vivendo mais!



Por John Kunihiro
Founder of Art Of Healing, Inc
Senior Director of Marketing
www.artofhealinginc.com

Last Updated on Thursday, 16 May 2019 17:29
 
Reflexão | Qual o significado da Páscoa em nossas vidas
Thursday, 18 April 2019 00:00


A palavra Páscoa provém do hebraico Pessach, que significa passagem. É uma festa judaica celebrada por uma semana, e que comemora a saída do povo judeu do Egito, quando deixou de ser um povo escravo para caminhar rumo à libertação. Esse período também era lembrado pelos gregos no Mediterrâneo, que festejavam a passagem do inverno para primavera, visto que a troca das estações climáticas era um meio de sobrevivência, de produção de alimentos, de colheita para alimentar o povo.

A Páscoa judaica é muito importante, pois é uma referência de um novo tempo para os cristãos. Jesus, o Filho de Deus, ao celebrar a última Páscoa com os seus discípulos, anunciava a sua morte e ressurreição. Ele foi crucificado e ressuscitou no 3º dia, e assim começou a celebração cristã a qual chamamos hoje de Semana Santa, iniciando no Domingo de Ramos.

A morte e ressurreição de Jesus Cristo, exatamente quando os judeus celebravam a Páscoa, nos trouxe uma nova libertação, uma nova esperança. A Páscoa não é somente a libertação dos judeus, mas também a liberação dos homens do pecado.

Com o seu sofrimento, morte e ressurreição, Jesus estabeleceu na Terra um Novo Reino: um Reino baseado no Amor. Em nossa vida diária, às vezes machucamos outros com atitudes e palavras. Mas por que não entendemos o verdadeiro significado da Páscoa, para não gerarmos feridas nos nossos semelhantes? Jesus já fez o sacrifício para que nós tenhamos uma vida com mais abundância e uma ligação direta com o Pai. Não há mais necessidade de sacrificarmos os outros ou nós mesmos. 

Ainda hoje somos escravos dos pecados, do ego, do poder, da ganância e do sofrimento.  Você sabe identificar o que falta para deixarmos o nosso velho homem interior e fazer ressuscitar nosso novo ser? Jesus foi um grande mestre que não enfatizou o bem material, não tinha posses, nem lugar para dormir e muito menos uma casa; mas ele tinha tudo, que era a glória de Deus.

Então, vamos aproveitar esta Páscoa para refletir sobre Jesus, aprender com Ele a humildade, o amor ao próximo, aprender a ter um coração de ajudar os outros, sermos bondosos com pessoas e animais carentes. Vamos experienciar que vale a pena ter uma passagem nesta vida com um sentido de vida.

Nesta Páscoa, vamos orar para que o Espírito que ressuscitou Jesus dentre os mortos alivie o sofrimento de tantos irmãos, perseguidos por causa de Seu nome, assim como de todos os que sofrem com os conflitos e as violências que assolam a humanidade.

Restaure a sua fé! Deus fará um milagre na sua vida, transformando-a de modo que as pessoas que estão ao seu redor verão essa mudança, pois houve uma substituição da amargura pela compreensão, ódio pelo amor, impaciência pela espera sem rancor. 

Comece a fazer diferença na sua própria casa que é o Planeta Terra, sendo mais prudente com o meio-ambiente, reciclando as garrafas de água, utilizando os seus sacos de compras de papel ao invés do plástico etc. Ajude as pessoas próximas. Conecte-se com velhos amigos e familiares que há anos você não conversa. Conecte-se com Deus e esteja mais presente na vida de sua família, pois a vida passa rápido demais. 



Por John Kunihiro
Founder of Art Of Healing, Inc
Senior Director of Marketing
www.artofhealinginc.com

Last Updated on Thursday, 18 April 2019 18:16
 
Reflexão | A caridade gera caridade
Wednesday, 13 March 2019 00:00


No conceito judaico, a palavra Mitzvah significa ato de caridade. É um ensinamento cabalístico de imersão atribuída na área divina emocional e balanceando a misericórdia com os próximos.

Outro dia estava sentado há mais de uma hora numa praça em Mogi das Cruzes com um senhor um morador de rua, o qual chamarei aqui de André. O que me chamou a atenção foi o cuidado dele para com os cachorros de rua. André me explicou que ele estava naquela situação depois que separou da mulher, perdendo a paixão pela vida. Por esse desgosto, começou a usar a bebida alcoólica como um escape da depressão. Apesar de ter feito a escolha de sair de casa, ele sentia muita falta da família e da vida que ele tinha quando era militar.

Ele se emocionou muito quando falou de seu pai, que é paciente terminal de câncer. André me disse que gostaria de ter uma oportunidade de poder voltar a trabalhar e tentar voltar a viver novamente. No meio da nossa conversa, observei como os dois cachorros que eram sua companhia estavam bem cuidados. Seus nomes eram Bora (que significa pronto para ir embora a cada momento) e Pretinha (super dócil). Os cachorros, com amor incondicional, estavam felizes ao lado do dono. Em várias ocasiões ele esteve em perigo e os cachorros o protegeram e salvaram sua vida. Para alimentá-los, André passava nos açougues e nos pet shops para pedir doações para os bichinhos. Ainda bem que sempre temos pessoas de bom coração tentando ajudar o próximo.

Já bastante à vontade comigo, André chamou um amigo pra me conhecer e também dividir a comida e a água que eu tinha dado a ele. O outro homem também era morador de rua e, mesmo sem os dois braços, demonstrava alegria em viver.

Depois de algumas horas com André, pude concluir que ele, aparentemente, não tinha absolutamente nada. Inclusive em momento algum me pediu dinheiro. No entanto tem muito mais do que imaginamos. André tem um coração gigante em querer ajudar ao próximo.

Agora faço uma pergunta: quantas vezes nós reclamamos de não ter o suficiente? Na realidade, temos muito mais do que precisamos. Fico pensando que passamos muito tempo preocupados com a vida alheia e acabamos não cuidando de nós mesmos e do próximo. O triste é a consequência disso nos levar a perder a esperança e a vontade de viver. E o passo seguinte será entrarmos em depressão, e até perder ou tirar a própria vida.

Pense nisto: por que vale a pena viver? Qual a última vez que você foi a um lugar bacana, um que você sempre quis, mas não quer gastar dinheiro para poder economizar? Não seja barato consigo mesmo! A vida não tem preço e é preciosa.

O que significa caridade? É ter um coração de contribuição intrinsecamente divina. É o espírito de retribuição que daremos de volta naquilo que é mais importante: a vida com abundância que Deus nos deu. A caridade sem esperar retorno gera gratidão e uma satisfação enorme no coração, trazendo mais propósitos na vida.

Temos que começar a exercitar o ato de amor. Primeiro sermos bons conosco mesmo, cuidar do nosso psicológico e da nossa alma. O que adianta você ganhar tudo o que você deseja e perder a saúde mental e física. Segundo, devemos cuidar dos demais com carinho, respeito e ser bondoso. E em terceiro lugar, cuidar da Mãe Terra, que tanto precisamos. Vamos reciclar, não jogar coisas na rua, cuidar do nosso redor!



Por John Kunihiro
Founder of Art Of Healing, Inc
Senior Director of Marketing
www.artofhealinginc.com

Last Updated on Thursday, 18 April 2019 18:16
 
Reflexão | O que estamos fazendo com o nosso tempo?
Friday, 17 August 2018 00:00


No mundo agitado no qual vivemos hoje, muitas pessoas em nossa sociedade tentam ser hiperprodutivas. Quem nunca teve uma agenda super apertada, cheia de afazeres no dia a dia, que atire a primeira pedra! Estamos sempre sem tempo para nada, reclamando que as horas do dia não são o suficiente para cuidarmos de todos os nossos “afazeres”. Corremos de tarefa em tarefa, sempre checando e-mails, organizam algo, fazem uma ligação, dirigindo, resolvendo problemas...

Muitos de nós acreditamos que ter uma agenda cheia e sempre estarmos super ocupados é sinônimo de trabalho duro e ter mais sucesso. Embora essa crença possa ter um fundo de verdade, ela frequentemente leva a uma “produtividade” irracional, uma necessidade constante de fazer algo e uma tendência a perder tempo com tarefas domésticas.

A sábia frase “o trabalho edifica o homem” é um excelente referencial que todas as pessoas deveriam praticar. A questão que nos deparamos não é o trabalho em si, mas sim a síndrome da “falta de tempo”. O velho ditado, “trabalhe de maneira mais inteligente, não mais difícil” vem sido discutido e trabalhado entre as pessoas que procuram uma vida mais feliz e saudável.

O tempo é um dos bens mais valioso que possuímos. Se você não tem tempo para nada, e está sempre ocupado com suas tarefas, lhe convido a fazer uma reflexão de como você está utilizando o seu tempo pessoal. Administrar o seu tempo não é espremer o máximo possível de tarefas no seu dia. É simplificar como você trabalha, fazer as coisas mais rápido e aliviar o estresse diário, limpando o espaço da sua rotina diária para dar tempo às pessoas que você ama e a você mesmo.

Em uma pesquisa com pessoas idosas acima de 80 anos, 80% das queixas estavam no arrependimento de não terem aproveitado melhor o tempo de sua vida. Erros e falta de recursos financeiros chegaram por último na lista de queixas. O tempo que passou não volta mais e o que você faz com o tempo que lhe foi concedido por Deus faz toda a diferença na qualidade da sua vida. O nosso esforço deve ser voltado à otimização do tempo que ainda nos resta.

Há quem diz que tempo é uma questão de percepção. Por exemplo, quando você está aguardando uma pessoa amada chegar ao seu encontro, cinco minutos pode parecer uma eternidade; enquanto aquela “olhadinha” no Facebook facilmente se transforma em duas, três horas sem você perceber. A verdade é que o tempo mal gerenciado prejudica todas as áreas da sua vida. Ser produtivo implica aproveitamento, gerenciamento, propriedade e domínio do que se faz. 

Após refletirmos sobre isso, e analisarmos quanto tempo estamos desperdiçando em coisas que não nos edificam em nada, o primeiro passo é buscar maneiras de minimizar o desperdício dessas horas e minutos tão valiosos em nossa vida. Muitos especialistas em gerenciamento financeiro recomendam o gerenciamento de tempo pessoal como o primeiro e mais importantes passo para se alcançar o sucesso financeiro na vida. Trabalhar no gerenciamento de seu tempo, seja no trabalho ou na vida pessoal, lhe ajudará a aproveitar mais cada momento de suas rotinas e você aprenderá a administrar todo o tempo que existe em uma boa organização.

Confira algumas dicas que podem fazer toda a diferença na hora de gerenciar o seu tempo.


1. Faça uma autoavaliação

Descubra todas as coisas que você poderia excluir de sua rotina diária. Um bom início é passar menos tempo com coisas que não estão relacionadas às tarefas a serem completadas durante aquele dia.


2. Adote o hábito da agenda!

Escreva todos os seus afazeres durante o dia e calcule o tempo para executar cada tarefa. Não se esqueça de sempre andar com a sua agenda, conferindo e marcando o que já foi executado. Você pode encontrar diversos aplicativos na App Store do seu celular para facilitar o gerenciamento do seu tempo.


3. Esvazie sua mente

Uma mente cheia de preocupações está constantemente tentando organizar os seus pensamentos, e consequentemente causando cansaço físico e mental.

Antes de dormir, anote todas as suas tarefas do dia seguinte, assim você não irá sobrecarregar o seu cérebro e dormirá melhor.


4. Faça primeiro o que você menos gosta

Todos nós temos tarefas que não gostamos de fazer. Salvo as tarefas de extrema urgência, sempre que possível, organize sua lista colocando primeiro o que você não gosta de fazer, ou adote a metodologia de grau de dificuldade, assim você usa a sua energia nas tarefas mais difíceis primeiro.


5. Aprenda a dizer “não”

Fazer um monte de compromissos com o nosso tempo pode nos ensinar como lidar com vários compromissos e gerenciar nosso tempo. Isso pode ser ótimo, no entanto, você pode facilmente ir longe demais. Em algum momento, você precisa aprender a recusar oportunidades. Seu objetivo deve ser assumir apenas os compromissos pelos quais você sabe que tem tempo e com os quais realmente se importa.


6. Termine o que você começou

Quase todos nós somos atormentados pelo impulso de procrastinar. Ninguém é perfeito, e imprevistos acontecem. No entanto, procure executar todas as tarefas de sua lista durante o seu dia para não acumular para o dia seguinte.


7. A pressa é inimiga da perfeição?

Nem sempre! Estabeleça prazos curtos para suas tarefas e concentre-se somente em uma tarefa de cada vez. Disciplina e concentração combinados com um senso de urgência fazem com que o nosso cérebro trabalhe com melhor desempenho. A consequência é um dia produtivo.


8. Os detalhes nem sempre são importantes

Frequentemente permitimos que os projetos demorem muito, muito mais do que deveriam, e ficamos muito presos a pequenos detalhes. Esse é um vício das pessoas perfeccionistas. Você pode fazer um trabalho bem feito e ao mesmo tempo superar o desejo de examinar constantemente o que já fez até agora. Uma dica é concluir o volume e revisar as coisas mais tarde.


9. Não seja vítima dos ladrões de tempo

Cuidado com o tempo desperdiçado nos grupos de whatsapp, mídias sociais, vídeos na internet, “conversa fiada” com amigos durante o dia etc. Comece a prestar atenção de quanto tempo você gasta nessas atividades. Simplesmente percebendo como elas estão sugando seu tempo, você começará a fazê-los menos.


10. Tire um “break” entre as suas tarefas

Quando nos apressamos de tarefa em tarefa, é difícil apreciar o que estamos fazendo e permanecer focados e motivados. Permita-se um tempo livre entre uma tarefa e outra. Uma pausa para tomar um ar fresco lá fora e refrescar o cérebro, fazer uma pequena caminhada, meditar ou realizar algum outro exercício para limpar a mente.


11. Mantenha o foco

Uma das maneiras mais rápidas de se sobrecarregar é pensar em sua enorme lista de tarefas. Perceba que nenhuma quantidade de pensamento diminuirá o tempo. Neste momento, tudo o que você pode fazer é se concentrar na tarefa que está a sua frente. Esta é uma tarefa única e solitária. Um passo de cada vez!


12. Aprenda com seus erros

Ao final de cada semana faça uma avaliação de todas as tarefas executadas durante a semana, aprenda com seus erros.


13. Vida uma vida mais saudável

Muitos estudos relacionaram o estilo de vida saudável com a produtividade do trabalho. A maioria das pessoas precisa de 7 a 8 horas de sono para que seu corpo e mentes funcionem de forma otimizada. Você sabe se você está recebendo o suficiente? Escute seu corpo e não subestime o valor do sono. Exercite-se regularmente e visite o seu médico, fazendo exames preventivos.


14. Separe tempo para Deus

Se você questionar o tempo de qualquer coisa em sua vida - quando algo deve ser feito, quanto tempo deve ser atribuído a algo, com que frequência deve ser feito algo, o sequenciamento de um projeto –, procure sabedoria divina. Inclua orações durante o seu planejamento diário. Um coração cheio do espírito santo o ajudará a enfrentar qualquer obstáculo que você encontrar durante o seu dia.



Da Redação

Last Updated on Friday, 17 August 2018 15:28
 


Translate

Portuguese English Spanish