Home Bem estar Bem Estar | Ah, o Amor!!!
Bem Estar | Ah, o Amor!!!
Tuesday, 20 June 2017 00:00


Relacionar-se com alguém é quase uma obrigação, uma condição humana tão natural que sempre nos questionamos se vamos ter a pessoa certa em nossas vidas, e se essa pessoa já é, eventualmente, pessoa certa.

E se todas as pessoas que passaram por sua vida foram as certas e, consequentemente, você está com quem deveria estar?

Aprendemos desde o nascimento a importância dos relacionamentos, que iniciam com os pais, passando por familiares, amigos, pessoas que participam de uma forma ou outra de nossas vidas. E quando chegamos a certa idade, essa vontade se expande, para buscar um amor para a vida, que desperte o melhor, faça sorrir e, assim, amar.

Alguns acreditam no poder da atração, e com ela vem a paixão. Neste momento, tudo fica colorido e bom, pois a paixão libera uma substância chamada serotonina no cérebro, que gera o prazer e satisfação, com a paixão, vem a fantasia, onde o apaixonado passa a idealizar o outro, imaginando e fantasiando qualidades que talvez nem existam. Passada essa fase, que pode durar até dois anos, vem o amor (ou não), passamos a enxergar o bem amado(a) com suas qualidades e defeitos reais. A partir daí, a consciência passa a analisar cada gesto, avaliando se os defeitos a ferem ou não. E assim nasce o amor, quando sente que quer a pessoa do seu lado com seus defeitos e qualidades, pois estes não ferem o que aprendeu e acredita.

E como sabemos se é amor?

No amor existe troca, carinho, confiança, cumplicidade, cuidado, aprendizado... Sim, aprendemos com o outro e assim evoluímos. É o gesto de ser e fazer sem esperar ou cobrar retribuição e recompensa, deixando que tudo flua naturalmente. É, muitas vezes, respeitar o silêncio. É sentir o prazer de simplesmente amar, e sentir que isso basta, e não precisar de mais do que isso. São também os pequenos gestos, como surpresas sem data, sem se preocupar que o outro veja o quanto é amado, mas sim fazer por que sentiu vontade.

No livro sobre o amor, o psicólogo Carl Gustav Jung diz: “Ali onde predomina o amor, não há vontade de poder. E onde há predominância do poder, não há amor. Um é a sombra do outro.”

O psicólogo Vinicius Torres conta que o mês de junho chega, trazendo ao Brasil as festas juninas, o inverno e também o Dia dos Namorados. Diferente de grande parte de outros países, o Brasil adotou o dia dos casais no dia 12 de junho, enquanto boa parte comemora em fevereiro, mais precisamente dia 14, conhecido como Dia de São Valentim. Mas você sabe o motivo dessa diferença?

A origem do Dias dos Namorados vem das festas romanas que homenageavam o Deus Lupercus, o Festival de Lupercalia, realizado em fevereiro. Nessa festa, havia um jarro com os nomes de moças para que os rapazes escolhessem uma companheira para os demais festivais do ano. Com a proximidade, muitos desses casais se apaixonavam e casavam.

Posteriormente, com o Cristianismo, trocou-se o deus romano, antes homenageado por São Valentim, nascendo o que conhecemos atualmente. Até 1949 no Brasil não existia uma data no calendário para o Dia dos Namorados, e a escolha pelo mês de junho não foi por acaso. Atualmente, existem duas vertentes que explicam tal decisão. A mais aceita é que 12 de junho é véspera do dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro para os católicos (religião dominante no país por muitos anos), tornando a data especial para aqueles que desejam um compromisso.

Entretanto, existe outra explicação para essa escolha. O mês de junho era tido como o mais fraco para o comércio. Para buscar melhorar as vendas, um publicitário lançou uma campanha com o apoio da Confederação do Comércio de São Paulo com a data dos namorados como 12 de junho, com o slogan “Não é só de beijos que vive o amor”. Com o sucesso da campanha e o lucro nos comércios, não demorou que a data fosse adotada em todo país.

Deixando os interesses comerciais de lado, no dia 12 de junho, esteja ao lado de quem você ama. Apenas ame e se permita ser amado(a). Questione-se! Se você é casado(a), quando fez algo diferente com sua parceira(o)? Quanto tempo é reservado ao casal?

Para os enamorados, já pensaram em aproveitar essa data para se conhecerem um pouco mais, falar abertamente sobre sonhos, planos e desejos? Que tal renovar os votos todos os dias? Não necessariamente a sua parceira(o), mas partindo do amor que sente por você, e que transborda ao outro.



Por Rosemeire Guimarães
Psicóloga e Neuropsicóloga CRP 6/93955
55 11 98445 8816 (whatsapp)
Email: This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it (Skype)
Site: www.psiquecogitare.com

Se você quer alguém para conversar, sem julgamentos e imparcial, ou apoio psicológico profissional para você ou um membro de sua família, entre em contato pelo Whatsapp. Podemos ajudar!

Last Updated on Tuesday, 20 June 2017 17:28
 

Translate

Portuguese English Spanish