Home Comportamento Comportamento | Síndrome de Burnout
Comportamento | Síndrome de Burnout
Monday, 16 October 2017 00:00


Recebo várias mensagens que falam de tempo... Mas vamos pensar um pouco: afinal, o que você está fazendo com o seu tempo?

Correndo, trabalhando, pagando contas, brigando a toa, frustrações, arrependimentos, sorrisos, amando... Quanto peso você precisa eliminar? Quanto dinheiro precisa ter? E quando atingir esses objetivos, o que pretende fazer? Não quero dizer que isto esteja errado. Você pode fazer tudo que quiser, desde que não sofra, não se cobre ou se culpe por isso. Sofrimento gera doenças. Respeite o seu corpo e seus limites.


Você sabe ou já ouviu falar sobre Síndrome de Burnout?


Se não ouviu, vamos lá! Burnout, burn (queimar) out (fora) palavra inglesa que pode ser entendida como, “estar queimando”, utilizada quando queremos dizer quando se chegou à exaustão. É como se o corpo dissesse: “Chega!”.

No trabalho, o que antes era feito com competência, passa a ser quase que mecânico. Falta motivação, concentração, irritação, desânimo, fracasso, além das manifestações físicas que podem estar associados à síndrome, como sudorese, palpitação, pressão alta, dores musculares, insônia, distúrbios gastrintestinais entre outros. Por ser uma doença difícil de ser diagnosticada, a Síndrome de Burnout, ou esgotamento profissional, ocorre devido ao estresse prolongado no trabalho, mas pode-se dizer que é uma mistura do pessoal, profissional e social.

O rendimento cai devido à desmotivação, erros ficam frequentes, a pessoa se afasta dos amigos e os poucos que ficam têm dificuldades para lidar com o descontrole emocional do amigo, afinal, já é difícil lidar com os próprios problemas. Assim, aquele apoio e paciência do colega, dá lugar à hostilidade, pois na tentativa de ajudar, costumam apresentar alternativas, conselhos, sugestões para reagir, mas isso só piora o quadro. 

Os profissionais mais atingidos são os que lidam com pessoas e se expõem ao sofrimento humano. Áreas da saúde como médicos, enfermeiras e cuidadores estão no topo da lista, mas os policiais, professores, bombeiros, carcereiros, assistentes sociais, advogados executivos e jornalistas estariam logo a seguir.

Existem pesquisas que apontam maior predominância da doença em mulheres devido à jornada de trabalho dentro e fora de casa. Se o homem divide as atividades domésticas, é dito que ele “ajuda”, pois, para alguns, a obrigação dos afazeres domésticos é da mulher. E pior, em geral esse pensamento é feminino. Com isso, as mulheres acarretam mais obrigações, até chegar ao ponto crítico da Síndrome do Burnout. 

Três características marcam a doença. A primeira é a exaustão, ou seja, fraqueza, dores musculares e de cabeça, náuseas, alergias, queda de cabelo, distúrbios do sono, raiva, problemas de memória, sintomas depressivos, baixa imunidade e libido. A segunda característica apresenta traços emocionais, embotamento afetivo e distanciamento; no trabalho, se comporta de forma fria, às vezes com ironia e rispidez. A terceira trata-se baixa produtividade, seria o “não se sente realizado”. Tudo vai acontecendo gradativamente: dorme, mas acorda cansado; irritabilidade; sensação de incapacidade; etc.

O tratamento inclui o uso de antidepressivos e psicoterapia, mas a boa alimentação, a atividade física, com exercícios de relaxamento e alongamento, ajuda muito a controlar os sintomas. 

A prevenção está em adquirir bons hábitos de vida, como: dormir bem, reservar um tempo para o lazer, passear com seu cachorro, conversar com os amigos, boa alimentação, fazer exercícios (lembrando que pode ser dança, luta, yoga, caminhada, algumas voltas de bike), ou seja, o importante é que faça uma atividade que goste; isso irá lhe proteger desta e muitas outras doenças.

Mantenha os contatos profissionais, fique atento a novas chances no mercado ou mesmo em outra área da empresa. Avalie se as condições de trabalho estão interferindo e prejudicando sua saúde física e mental.

Assim fica a reflexão, onde tempo é vida, saúde... Afinal, o que você está fazendo com o seu tempo?





Por Rosemeire Guimarães
Psicóloga e Neuropsicóloga CRP 6/93955
55 11 98445 8816 (whatsapp)
Email: This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it (Skype)
Site: www.psiquecogitare.com

Se você quer alguém para conversar, sem julgamentos e imparcial, ou apoio psicológico profissional para você ou um membro de sua família, entre em contato pelo Whatsapp. Podemos ajudar!

Last Updated on Monday, 16 October 2017 11:59
 

Translate

Portuguese English Spanish