Home Comunidade Comunidade | America Without Drugs
Comunidade | America Without Drugs
Friday, 14 September 2018 00:00


Ciclistas brasileiros irão pedalar de Atlanta à Washington DC na Mega Bike Maraton percorrendo 700 milhas, a favor de uma campanha por uma América sem drogas


O Projeto Anti Drogas de Reabilitação e prevenção é resultado de uma pesquisa do brasileiro maranhense Adivando Junior e seus colaboradores, durante seis meses, analisando a atual realidade das comunidades de imigrantes com relação à dependência do uso de drogas em Atlanta.

Adivando Rocha Santos Junior, o “Ap. Adivando Junior” mora em Atlanta há quase dois anos. Ciclista de Imperatriz (Maranhão), o brasileiro encarou o maior desafio de sua carreira. Depois de pedalar durante 20 dias, de Imperatriz ao Rio de Janeiro, onde, junto a mais 26 ciclistas, percorreram 2.700 km defendendo as comunidades terapêuticas e por um Brasil sem drogas.

Seguindo seu trabalho no Brasil, Adivando fundou aqui nos Estados Unidos o grupo “America Without Drugs”. O grupo começou pequeno, dentro de sua igreja, e já se estendeu por toda a comunidade brasileira e hispânica em Atlanta. O atleta e ciclista profissional Tiago DePaula e outros ciclistas brasileiros e americanos são membros do projeto e farão parte da Mega Maratona à Washington DC. Também está apoiando o projeto a Unidade de Assuntos Comunitários de Cobb County. O Officer Raymond Granell participou com sua comitiva de várias reuniões e palestras do projeto, oferecendo seu material sobre o assunto, bem como voluntários para fazer palestras e ajudar em campanhas de prevenção contra as drogas.

O grupo também propõe uma parceria entre Brasil e Estados Unidos para utilizar o projeto de recuperação de usuários de drogas e prevenção da David House Therapeutic Center, uma instituição brasileira que agora está também filiada aqui nos Estados Unidos.

O projeto já tem apoio do Consulado-Geral do Brasil em Atlanta. O projeto foi apresentado à Embaixadora Maria Estela Pompeu por Adivando e o Pastor Saulo Santos da igreja MSBN. Também estão apoiando o projeto: a Embaixada Brasileira em Washington DC, a Igreja Assembleia de Deus MSBN, a Fennoct Brasil, a Revista Cia Brasil Magazine, a Polícia de Cobb County, e também milhares de atletas e ciclistas americanos e brasileiros

O grupo preparou mais de dez mil panfletos para distribuírem durante a sua Mega Bike Maraton, que sairá de Atlanta no dia 20 de outubro de 2018. Serão sete dias de maratona percorrendo setecentas milhas, até Washington DC. Escoltados também pela polícia americana, o grupo seguirá até a Casa Branca para apresentar o projeto “America Without Drugs”.

Um grande número de voluntários de Atlanta, inclusive ex-usuários, irão acompanhar a maratona, dando suporte aos ciclistas e vídeo-documentando a viagem.

O convite para participar da Mega Bike Maraton está aberto à toda comunidade. Quem quiser saber mais sobre o projeto, pode acompanhar nas mídias sociais, com o nome America Without Drugs e no website www.americawithoutdrugs.com.


A crise das drogas nos Estados Unidos


De acordo com o Departamento de Estado Americano, o país está sofrendo uma das piores epidemias de mortes relacionadas às drogas legais e ilegais desde 1980. Das 64 mil mortes por excesso de uso de substâncias em 2016 nos Estados Unidos, 20.145 foram por opiáceos sintéticos, uma categoria dominada pelo fentanyl.

Todos os dias, 142 americanos, em média, morrem de overdose, um número assustador. Para se ter uma ideia, os opioides matam mais do que acidentes de carros e homicídios somados. É a principal causa das chamadas mortes evitáveis. Nesses opioides, está incluída a heroína, uma droga ilegal, mas a estimativa do Centro de Controle de Doenças é que metade das overdoses aconteça com remédios comprados com receita médica, legalmente.

Nos Estados Unidos, analgésicos feitos à base de opioides são muito comuns, muito receitados. Pode acontecer, por exemplo, de um jovem ir a um dentista tirar um siso e sair de lá com uma receita de um desses analgésicos. Como eles são muito fortes e viciam rápido, isso virou uma epidemia.

Essa prescrição massiva foi muito discutida nas campanhas eleitorais de 2016 e ainda são temas das eleições para senadores, deputados e governadores que acontecerá em novembro deste ano aqui nos Estados Unidos. Após a sua posse, o presidente Donald Trump criou uma comissão especial para lidar com a crise e foi declarado estado de emergência nacional.

O atual governo também tem liderado uma retórica que se baseia em impedir o fluxo de drogas por parte dos países produtores latino-americanos. No entanto, o problema também é de demanda. O consumo nos Estados Unidos tem sido motivado por uma crescente demanda por opiáceos devido aos altos preços dos medicamentos no país. Portanto, o problema não é só dos países produtores, mas também dos Estados Unidos pela demanda que seus cidadãos exercem.



Da Redação
Colaboração: Ap. Adivando Junior
Fotos por Thaynara Pope

Last Updated on Friday, 14 September 2018 16:37
 

Translate

Portuguese English Spanish