Home Espaço Mulher Espaço Mulher | CORONAVÍRUS, GRAVIDEZ, VACINAÇÃO E AMAMENTAÇÃO
Espaço Mulher | CORONAVÍRUS, GRAVIDEZ, VACINAÇÃO E AMAMENTAÇÃO


Neste estágio da pandemia, recebi quase muitas perguntas sobre os efeitos do COVID-19 na gravidez, bem como os efeitos da vacinação em mulheres grávidas e durante a amamentação. É importante entender como o COVID funciona, pois assim é a melhor forma de proteger sua família e como pensar sobre os benefícios ou riscos inerentes à escolha da vacinação.


As recomendações do COVID-19 durante a gravidez são em sua maioria óbvias e diretas. Como as pacientes grávidas correm mais risco (assim como para qualquer doença respiratória, incluindo a gripe comum), elas devem tomar todas as precauções necessárias para evitar a exposição e a contração do vírus, o que inclui precauções típicas de prevenção, bem como auto vacinação ou emprego do efeito “cocooning”, que é a vacinação intencional de todos os responsáveis pela mãe/bebê, o que diminui significativamente suas chances de contração do vírus.

AS PRECAUÇÕES BASEADAS NOS BOLETINS DE PREVENÇÃO DO CDC JÁ SÃO, GERALMENTE, BEM CONHECIDAS PELO PÚBLICO. ENTRE ELAS ESTÃO AS PRECAUÇÕES TÍPICAS DE GRAVIDEZ, INCLUINDO:

● Distanciamento social;

● Usar uma máscara facial em público;

● Lavar as mãos com frequência;

● Limpar e desinfetar as superfícies;

● Continuar seu atendimento pré-natal rotineiro.

Outra informação que muitos não sabem, é que a incidência de mães que transmitem COVID-19 ao feto no útero é mínima ou praticamente nula. O vírus, entretanto, se espalha por meio de gotículas respiratórias e pode facilmente passar da mãe para o bebê, especialmente durante a amamentação. O risco de transmissão é extremamente baixo da mãe para o bebê se pelo menos 10 dias se passaram desde o início dos sintomas ou 24 horas desde sua última febre. O cuidado dos membros da família é necessário e o vínculo mãe-bebê e a amamentação são considerados mais benéficos do que o risco de um bebê contrair COVID-19. Tome precauções!

No entanto, as mães com teste positivo para o vírus e que não atenderam aos critérios de 10 dias devem sempre usar máscara facial enquanto estiverem com seus bebês, ter as mãos limpas ao cuidar do recém-nascido e manter distância quando possível. A mãe também pode considerar a extração ou extração manual do leite materno para o bebê para evitar a exposição a gotículas respiratórias. Apenas 2 a 5% dos bebês testam positivo para COVID se suas mães foram positivas no momento do parto.


COVID-19 EM BEBÊS E CRIANÇAS


Bebês e crianças geralmente não têm muitos problemas com COVID e, como os adultos, podem permanecer assintomáticos ou com sintomas muito leves. São esses jovens, entretanto, os mais suscetíveis à síndrome inflamatória multissistêmica (ou MIS-C). Esta é uma condição que pode ser uma sequela de COVID, na qual algumas partes do corpo ficam gravemente inflamadas. Estudos sugerem que o MIS-C é causado quando há uma reação do sistema imunológico da criança ao COVID-19. De acordo com a Mayo Clinic, as listas a seguir não é exaustiva, mas é importante observar se seu filho contraiu COVID por sintomas específicos relacionados à criança que podem ser muito perigosos e justificam uma visita ao pronto-socorro.

Os sinais e sintomas mais típicos e possíveis de MIS-C incluem: febre que dura 24 horas ou mais; vômito; diarreia; dor no estômago; erupção cutânea; batimento cardíaco rápido; respiração rápida; olhos vermelhos; vermelhidão ou inchaço dos lábios e da língua; sensação de cansaço incomum; vermelhidão ou inchaço das mãos ou pés; dor de cabeça, tontura ou vertigem; Linfonodos aumentados.

Os sinais de alerta de emergência do MIS-C incluem: incapacidade de acordar ou permanecer acordado; dificuldade em respirar; nova confusão; lábios ou rosto azulados; forte dor de estômago.


EFEITOS COVID NO FETO


As mães saudáveis com exames positivos para o COVID-19 que se recuperam da infecção pelo vírus, não mostraram até o momento nenhum efeito conhecido em seus bebês no útero. Pelo que sabemos, não houve aumento no risco de perda da gravidez, trabalho de parto prematuro ou aumento nas admissões em UTIN (unidade de terapia intensiva neonatal) no momento do parto, segundo Data from Developmental and Reproductive Toxicity (DART) na Europa.



Muitos obstetras optaram por realizar a vigilância fetal mais de perto nas últimas semanas da gravidez. O médico pode recomendar o monitoramento uma ou duas vezes por semana dos movimentos e batimentos cardíacos dos bebês. No entanto, não há orientação para isso nas diretrizes nacionais e não atende a nenhum tipo de padrão de cuidado com relação ao COVID-19 na gravidez.


VACINAÇÃO


Sabe-se que uma mãe pode escolher proteger a si mesma e a seu filho vacinando-se. A vacinação garante à grávida permitir a transmissão de seus anticorpos ao bebê no útero. Ela também pode optar por adiar a vacinação até depois do parto (para diminuir os riscos teóricos da vacina), o que permite alguma transmissão passiva de anticorpos através do leite materno.



Eu ouço muitas vezes pacientes preocupadas com os efeitos em futuras gestações, possíveis implicações na fertilidade ou que “ouviram falar” sobre aumentos exorbitantes no aborto espontâneo no primeiro trimestre com a vacina. Mas são teorias baseadas no fomento do medo, que não têm base científica e totalmente falsas. Não houve aumento de abortos espontâneos no primeiro trimestre relacionado a indivíduos vacinados. A ACOG (American College of Obstetricians and Gynecologists) recomenda a vacinação para todas as pessoas elegíveis que podem considerar uma gravidez futura. Visite o site www.acog.org para mais informações.

Mulheres com menos de 50 anos, incluindo grávidas, podem receber qualquer uma das vacinas COVID-19 autorizada pela FDA disponível para elas. Algumas precauções com relação à vacinação incluem efeitos colaterais potenciais conhecidos, incluindo uma resposta inflamatória autolimitada leve e TTS (trombose com síndrome de trombocitopenia), especificamente com relação à vacina Janssen. É seguro pré-tratar a vacinação com Paracetamol 500mg e/ou Aspirina 81mg, mesmo durante a gravidez, para diminuir esses efeitos colaterais potenciais. Como as mulheres grávidas correm mais risco de TTS, eu recomendaria vacinas baseadas em mRNA durante a gravidez.

Em geral, as mulheres grávidas são consideradas jovens e saudáveis. Fatores que aumentam o risco potencial de hospitalização devido a COVID-19 (grávida ou não) incluem obesidade e doenças respiratórias, além de asma e alergias graves. Mesmo em mães com COVID-19 positivo, a transmissão para os bebês é insignificante com as precauções adequadas e geralmente ocorre imediatamente após o parto. Se você foi infectada com COVID-19 durante a gravidez, seu médico pode sugerir um maior monitoramento durante esse período. Por isto estamos em uma excelente posição, senhoras! Tome as precauções adequadas para você e sua família, considere a possibilidade de vacinar-se. Se o fizermos, a probabilidade de problemas graves será baixa.


Você tem dúvidas sobre obstetrícia, gravidez, amamentação ou sobre a saúde da mulher em geral? Envie suas perguntas e responderei em nosso próximo artigo!



Dra. Stacey Pereira
Ginecologista

 

Translate

Portuguese English Spanish