Home Capa
Capa | SINTONIZE-SE EM ATLANTA COM A BANDA Labirinto Tropical
Monday, 16 September 2019 00:00


Conhecida como capital cultural do “New South”, o cenário musical de Atlanta é uma das primeiras coisas que vem à mente quando se pensa em toda a riqueza que a cidade tem a oferecer. Aqui é um lugar cheio de talentos incríveis, desde lendas do hip-hop e bandas de rock indie, punk, R&B e sua ramificação neo-soul, Blues, Country, música gospel, até a Atlanta Symphony Orchestra e Chorus, que já gravou mais de 100 álbuns e ganhou 27 prêmios GRAMMY®.

Com tanto espaço para a música, um grupo de amigos brasileiros e americanos realizaram um projeto antigo de formar a banda “Labirinto Tropical”. Há três meses oficializaram a banda e tem se destacado pelo seu talento musical. Idealizada por Rubens Villar, a banda possui um som peculiar, orgânico, uma mistura de reggae com “slow rock”, uma mescla de Tribalistas com Charlie Brown Jr, além das influências musicais de Atlanta e seus integrantes americanos. Além de Rubens (leadsinger - violão guia), é formada por Camila DeCastro (leadsinger), Vitor Lisboa (baterista), James “Bailey” Croom (guitarrista), Spencer Willis (violinista) e Dave Patrick Back (baixista), todos vivendo em Atlanta.


A HISTÓRIA


Rubens conheceu os irmãos Vitor Lisboa e Camila DeCastro há cerca de 15 anos. Todos envolvidos com o ramo musical, Rubens tinha facilidade de compor melodias e enviou um áudio para Camila mostrando uma música, dizendo que ficaria interessante com uma voz feminina junto. O timbre de voz meio rouca de Rubens encaixou bem com a voz de Camila, e juntando ao Vitor, que é baterista, veio a ideia de formar uma banda.

Ainda faltava mais instrumentistas na banda e quando a ideia é convicta, a natureza conspira a favor. O próximo integrante que surgiu foi o guitarrista Bailey, que ao se mudar para a porta da frente da moradia de Rubens, viu-o tocando violão na sacada e falou que iriam tocar juntos em breve. Rubens não deu tanta importância na hora, mas Bailey chamou para uma “jam session” e nunca mais pararam de tocar juntos.

Ao gravar seus primeiros singles na Tribo Records, o produtor musical Spencer Willis sugeriu acrescentar violino nas músicas. E ele, que é um violinista de alto nível, desde esse dia esteve junto no projeto musical. Ainda se juntou ao grupo o baixista Dave, que teve uma conexão de imediato com as músicas e com a banda.

O nome da banda surgiu de forma natural. Rubens estava numa festa e um rapaz estava entregando alguns samples da música dele em um CD, cujo nome era “Labyrinth”, que significa labirinto. A parte de fora do local era cercado de árvores e depois de algum tempo de conversas e trocas de ideias, saiu o nome Labirinto Tropical, devido ao cenário local e o estilo musical ter sua maior influência na música brasileira.

Não há cargos específicos na banda, a tarefa de cada um varia muito, já que, devido a outros compromissos, nem todos podem estar juntos em uma reunião ou um ensaio. Para atualizar o integrante ausente, recorre-se ao Facetime ou a uma ligação de voz. Normalmente, Rubens é quem vai colocando um a melodia com outra, e cada um vai acrescentando algo; depois de algumas horas, a música fica pronta. Nenhuma decisão é tomada sem a consulta de todos. As composições são de Rubens, mas quem dá os add-ons é Camila. Quando uma música é criada, passa no ouvido de todos antes de se concretizar. Não há uma liderança específica na banda, mas uma sinergia entre todos.



ANDAMENTO DA CARREIRA


São dois singles gravados: “Leve linda”, que foi uma letra baseada em um amor entre uma sereia e um humano, mas impossível pelas circunstâncias; e “É preciso ter coragem”, que fala sobre relações modernas, com pessoas sem coragem para tomar decisões, muitas das quais trariam benefícios a elas próprias. Os singles estão em plataformas digitais como iTunes, Apple Music, Spotify e outras.

A banda está trabalhando duro sobre 12 músicas a serem gravadas ainda, em parceria com a Tribo Records e com o profissional Rafael Pereira, que entrou de cabeça no projeto. O terceiro single, intitulado “Dona do amanhã”, está em produção na Tribo Records, junto com Tadeu Patolla, ex violão-guia e produtor do Charlie Brown Jr. Os planos são gravar todas as músicas com alguns produtores que mostraram interesse, e algum contrato com gravadora brasileira.

O show que oficializou a banda foi no Boteco, um bar com música ao vivo em Atlanta. A música de Labirinto Tropical foi muito bem recebida pelo público, um momento especial para todos da banda. O segundo show será em 28 de setembro no Donkeys Bar, na saída 6 da GA-400, em Sandy Springs, às 9 pm, no mesmo dia do aniversário de 30 anos de Rubens. Serão vendidas lindas camisetas da banda, para ajudar nas próximas metas do projeto.

O objetivo da banda desde o início foi e continua sendo o mesmo: a música. Fazer um bom som, que as pessoas gostem, que fique como um legado. “Em nome de toda a banda, agradeço: a Deus, por proporcionar as ondas de acontecimento na vida de todos; a todos que têm apoiado e mostrado um enorme carinho; a Jonatas Barbosa, que tem sido braço direito da banda; a Rafael Pereira e Spencer por cuidar das gravações como se fosse a música deles; a Luciana, Camila e Brazilian American Tees por tomarem conta das camisetas e blusas a serem vendidas; a Thiago DeCastro, marido de Camila, que tem apoiado e demonstrado carinho por dar total confiança à nossa banda; a Pedro Henrique, quem comanda as redes sociais; a Vini Lima, por apoiar em tudo que a banda precisa; a Giovanny Yuri, Júnior Meneguetta, Arjun, Bethi, por serem a coluna de apoio, se preocupando com todos; a Fotógrafa Ana Nobre - Photography, por ter feito um excelente trabalho nos Ensaios Fotográficos da banda oficial; à Cia Brasil Magazine, pelo apoio e realização desta matéria mostrando o nosso trabalho musical para nossa comunidade; a Tadeu Patolla, por estar ensinando a todos a serem melhores; e à comunidade brasileira, pelo enorme apoio!”, disse o idealizador da banda, Rubens Villar.


BIOGRAFIA DOS INTEGRANTES DA BANDA "LABIRINTO TROPICAL"




RUBENS VILLAR

29 anos, nascido em Mandaguari, Paraná, mas criado em Londrina. Veio para os Estados Unidos em 2003, junto com a mãe e irmã. Os pais e avós sempre foram envolvidos com a música, e assim Rubens vivia nesse meio praticamente 24 horas do dia. Aprendeu a tocar violão com sua mãe.

VITOR LISBOA

34 anos, baterista, Vitor se mudou para os Estados Unidos com sua família em janeiro de 2000. É o filho do meio, irmão da caçula Camila, vocalista da banda. Seu irmão mais velho é Paulo Lisboa, que também é músico. Hoje é casado com Elizabeth e tem dois filhos. Começou sua carreira musical tocando na igreja, fez aulas de bateria aqui em Atlanta com professores particulares.

JAMES “BAILEY” CROOM

O guitarrista de 21 anos de idade nasceu em Dunwoody, Geórgia. Começou a tocar na época da faculdade, como uma forma de fuga, enquanto pensava no que realmente queria fazer na vida. Foi seu avô quem comprou o seu primeiro violão.

DAVE PATRICK BACK

Nascido em Teaneck, Nova Jersey, e criado em Palm Bay, Flórida, o baixista tem 38 anos de idade. Vive no Metro Atlanta há 20 anos. Começou a tocar baixo em bandas de garagem na época do ensino médio escolar. Mais tarde, estudou composição musical, e performance Doublebass no Georgia Perimeter College, antes de receber um bacharelado em Estudos de Jazz pelo Georgia State University. Atualmente trabalha como baixista free lancer.

CAMILA L. SOUZA DECASTRO

Vocalista da banda, Camila é natural de Anápolis, Goiás, e chegou aos Estados Unidos há 20 anos, vindo com os pais e irmãos. É casada há cinco anos com Thiago DeCastro. Canta desde criança, pois sua família sempre foi envolvida com a música. Cantou por muito tempo em grupo de louvor na igreja e faz back vocal para o renomado cantor gospel Ismael Ramos.

SPENCER WILLIS

Sempre foi ligado à música desde criança, pois era fascinado por tudo que tinha cordas. Nascido em Atlanta e com 25 anos de idade atualmente, Spencer começou a fazer aulas de violino cedo, e tinha também a vontade de aprender a tocar a harpa. Toca violão e canta um pouco também. Trabalha para a Tribo Records, onde Labirinto Tropical está fazendo as gravações, e deu a ideia de incorporar o violino e a harpa nas músicas da banda, que o recebeu com confiança.



Da Redação
Fotos por Ana Nobre

Last Updated on Tuesday, 17 September 2019 20:19
 
« StartPrev12345678910NextEnd »

Page 1 of 12

Translate

Portuguese English Spanish