Home Destaque
Destaque | Igreja MSBN - Uma viagem missionária ao continente africano
Wednesday, 19 October 2016 00:00


No dia 15 de setembro de 2016, um grupo de nove missionários da Igreja MSBN (Ministério Semeadores de Boas Novas) de Atlanta, liderado pelo Pr. Saulo dos Santos e sua esposa Pra. Priscila dos Santos e os missionários Claudio Fhar, Amarildo Alves, Marcelo Bezerra, Andrea Bezerra, Paula Vanderley, Haurea Costa e Andreia Lopes, partiram em direção ao continente africano com a missão de levar um pouco de esperança, fé e alegria aos corações de quem não sabe que existe uma vida em que se possa viver com dignidade, respeito e sonhos. Dos nove missionários, sete nunca estiveram na África. Já o Pr. Saulo dos Santos completou sua oitava missão e o missionário Marcelo Bezerra esteve na sua segunda.

Saímos de Atlanta a Johanesburgo na África do Sul em um voo de quase 16 horas sem escala. Chegamos às 18:00 no horário da África, 6 horas a mais de onde partimos. Fomos direto para o hotel para no dia seguinte visitarmos o projeto SOS África, dirigido pelo Pr. Eliel da Silva e sua família em Vanderbijlpark, de onde o Pr. Saulo trouxe uma palavra na conferência de aniversário da igreja. No outro dia, eu ministrei a palavra pela manhã em Vanderbijlpark, e na igreja sede o missionário Claudio Fahr ministrou a palavra de Deus à noite, abençoando, assim, a vida daqueles africanos que faziam parte daquele ministério.

Na segunda, dia 19 de setembro, fomos para Moçambique, na cidade do Tete. Logo após deixarmos o aeroporto com destino ao hotel, já se podia perceber o impacto no rosto de cada um de nós. A escassez de comida na cidade do Tete já se fez notória logo quando chegamos. Comidas como arroz e óleo sendo vendidos em saquinhos de 15 ml somente para satisfazer o dia. Às vezes reclamamos de ir a um supermercado por cansaço ou outro motivo qualquer, não sendo por falta de recursos financeiros. O povo daquele lugar não tem nem como entrar em um supermercado, pois mal conseguem comprar seu mantimento diário vendidos em barraquinhas precárias construídas manualmente de madeiras nas ruas do Tete.

No dia seguinte, logo pela manhã, saímos para passar o dia ministrando na missão da MSBN perto da cidade do Tete. Mas antes tivemos que trocar dólares pela moeda local, o Metical, cujo US$1,00 equivale a 77.00 Meticais. Ficamos a espera dentro do carro pelo Pr. Saulo que foi até ao Banco e demorou mais de 1 hora, pois tudo no Tete funciona lentamente.

Chegamos então na congregação da MSBN perto da cidade do Tete, onde estava o Pastor regional e o nosso Pastor Nacional, Pr. Inácio. Fomos recebidos de uma forma que nunca imaginamos. Se existe algo que temos que aprender com os nativos de Moçambique é a forma como eles recebem as pessoas. Chega a nos intimidar. Eles nem esperam você chegar ao destino final, no meio do caminho um grupo vai até ao nosso encontro andando e ali começam a cantar uma música. Então eles continuam andando a pé, seguindo a nossa van até o destino final. Quando chegamos nas proximidades, já se podia ouvir as gritarias e a festa. Tudo novo para a maioria de nós que ficamos com os nossos olhos fitos naquele povo sem entender onde eles arrumam forças para festejar em corpos quase esqueléticos, olhos profundamente tristes, crianças vestidas com seus trapinhos de roupas surradas pelo uso talvez de várias outras crianças, e algumas visivelmente doentes pelos olhos avermelhados, semblantes caídos e narizes escorrendo. Outras com seus pés no chão sem nunca terem visto um sapatinho... A maioria de nós não podia se conter ao ver mais de 150 crianças correndo em nossa direção naquele estado. É de partir o coração, não podíamos suportar, tentávamos disfarçar as lágrimas nos nossos rostos pelos óculos de sol sem muito êxito, tentando não demonstrar para aquele povo o impacto que eles causaram a cada um de nós. Até para o Pr. Saulo parecia a primeira vez. Assim que chegamos, entramos debaixo de uma tenda de lona construída para aquela ocasião especial. Pr. Saulo trouxe uma palavra para aquele povo da parte de Deus, e em cada viagem que ele faz à África, tem ensinado aquele povo como proceder corretamente de acordo com a palavra de Deus, a Bíblia. O mais interessante é que aquele povo guarda e pratica tudo que foi ensinado pelo Pastor no ano anterior. Dividimos as equipes naquele lugar e cada um ficou com uma função. Pr. Saulo e o missionário Cláudio Fahr ministraram os homens, Pra. Priscila e eu ministrávamos as mulheres, Marcelo Bezerra, Andreia Bezerra, Haurea Costa e Paula Vanderley ministraram as crianças e o Missionário Amarildo Alves fez o trabalho de fotografia e filmagem.

Na hora da distribuição dos presentes e verbas enviados pelos membros da igreja MSBN e os missionários, a parte mais difícil era a das crianças, pois elas avançavam uma contra as outras achando que se não fossem uma das primeiras, ficariam sem presentes e sem comida. A forma como eles avançavam contra nós era de assustar, colocando em risco a vida de cada um. Pr. Saulo diante, daquela situação dá uma pausa nas entregas e começa a ensinar àquele povo a forma correta de proceder, dizendo que ninguém ficaria sem receber comida nem presentes e que eles respeitassem a vez de cada um. Todos nós sabemos que eles não são culpados pela forma como agem. O propósito da missão vai muito além de satisfazer a carência física, mas principalmente de ministrar a alma daqueles africanos, mostrando a eles que no meio daquela miséria, em que o grupo não podia nem jogar um chiclete no chão porque logo vinham crianças disputar aos empurrões aquele chiclete mascado, não para mascar mas para engolir, achando que era comida, naquele mundo onde a lei era de quem fosse mais rápido, nós estávamos ali não pra satisfazer algo momentâneo, mas para ensinar àquele povo que existe um Deus que os ama e que moveu o coração daquele grupo para trazer das sepulturas a esperança e a fé, que foi o tema ministrado àquele povo tão sofrido. Também foi uma forma de nós missionários obedecermos a Deus que nos ensina por meio de sua palavra em romanos 10, a partir do versículo 13, o seguinte: “Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. 14 Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? 15 E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.”

Tivemos várias outras experiências naquele lugar, como o carinho daquele povo em construir um "banheiro" que não existia naquele local, para facilitar o nosso trabalho naquele lugar. Banheiro que você pode imaginar como foi feito. Mas o que importava pra nós eram o carinho e a gratidão daquele povo a nós, como a comida típica deles que fizeram com o maior carinho e mesmo sem termos vontade de experimentar. Por respeito a eles experimentamos um pouquinho de cada comida preparada para nós, como a Chima, uma papa branca feita do milho, carne de bode com as tripas amarradas na carne junto com os miolos dos animais, salada de repolho e arroz.

Perto de deixarmos aquele lugar, fomos surpreendidos por presentes que deram a nós: roupas típicas da região como as Capulanas e artesanatos da região.

Saímos daquele lugar pensativos e passamos a refletir melhor sobre nossas vidas e tudo o que temos. Tivemos a oportunidade de presenciar uma terra que falta saneamento básico para a população, falta de escolas, estrutura social frágil, doenças como a malária, ausência de recursos médicos, falta de tecnologia, lugar de conflitos políticos e tribais por disputa de poder, estradas precárias onde arriscávamos nossas vidas, evitando viajar à noite.

Depois fomos a vários outros lugares em Moçambique, pegamos outro voo para a cidade da Beira, onde visitamos o orfanato de missões Piéia do Pr. Itamar. Tivemos outro choque ao nos deparar com mais de 200 crianças vivendo em condomínios abandonados e destruídos pela guerra. Olhamos terrenos para poder abrir um trabalho em outra cidade por perto chamada Dondo. Depois visitamos outro trabalho que se chama Bethel (Lugar onde Deus habita), da missionária Ana Maria Ferreira. Ela reside na cidade do Dondo há mais de 26 anos, foi casada com um africano que faleceu por ter o vírus HIV e pode nos contar como Deus poupou sua vida de não ter sido contaminada. Essa missionária faz um trabalho maravilhoso com mais de 140 crianças, todas com o vírus HIV, crianças limpas e bem cuidadas. Esse trabalho impressionou a todos nós. Deixamos uma oferta para Ana Maria que chorou, pois as pessoas que vivem na África fazendo trabalhos missionários não possuem muitos recursos e vivem pela fé, fé esta que Deus tem honrado.

No outro dia fomos para a nossa outra missão perto do Dongo, onde o Pr. Inácio, pastor nacional de Moçambique, tem a congregação da MSBN. Tivemos outras grandes experiências e também ministramos naquele lugar da mesma forma que fizemos na cidade do Tete. Vimos como aquele povo foi tremendamente abençoado, tanto em recursos materiais como espirituais. Mas, pra ser bem sincera, em todas essas visitas quem realmente saía totalmente realizado e abençoado éramos nós, porque é muito melhor dar do que receber.

Depois viajamos a Maputo, capital de Moçambique, para visitar a missionária Marly do nosso ministério, uma mulher de Deus, que tem dedicado a sua vida a servir àquele povo há mais de 10 anos e que, se precisar, dá a sua vida por eles. Fomos até lá visitá-la e levar recursos para melhorias e abrir mais escolas naquele lugar.

Enfim, são tantas coisas para contar e relatar que seria impossível somente nesta matéria. Agradeço à revista Cia Brasil que nos deu esta oportunidade de poder relatar um pouquinho do nosso trabalho e experiência no continente africano, e a Deus que tem usado a vida do Pr. Saulo de uma maneira sobrenatural, o qual vem seguindo a visão dada por Deus ao seu pai Pr. António dos Santos.

Sabemos que não temos como mudar a África. Mas o pouco que o Senhor Deus tem confiado a este ministério, estamos tentando fazer o melhor de acordo com a possibilidade de cada um de levar pelo menos um pouco de esperança a esses africanos que vivem uma vida tão miserável.

O Ministério MSBN está localizado na cidade de Atlanta há 15 anos abençoando vidas pelo evangelho e amor de Jesus. É uma igreja com a missão de fazer a diferença cumprindo os propósitos de Deus. Nossa missão é falar do amor de Deus a cada pessoa que conhecemos, tornando assim a vida dela melhor. Somos conhecidos também por ser uma igreja com uma forte vocação missionária. No Projeto Brasil estamos em 11 estados, na Europa estamos em Portugal, Espanha, Inglaterra e Suíça, e na África em Moçambique e Malawi. Ainda temos parceria em Guiné-Bissau, Egito, China e Jordânia. Temos também agora a nossa igreja que foi implantada esse ano em Orlando.

A você, caro leitor, espero que um dia possa visitar ou fazer parte do nosso projeto ou de qualquer outro que tenha a missão e o compromisso de trazer esperança a um povo que é esquecido e abandonado pela maioria de nós.

Existe uma frase popular que diz que o que os olhos não veem o coração não sente. Tenho que reconhecer que eu fechava os meus olhos também para a África, mas Deus um dia tocou o meu coração e pude ver com os meus olhos. Hoje eu sei que as imagens que os meus olhos viram eu jamais conseguirei apagar. Que Deus abençoe a cada um de vocês e toque no coração de vocês, assim como Ele tocou um dia o meu!


Salmo 2:8 – “Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por possessão.”





Por Andreia Lopes - MSBN

Last Updated on Wednesday, 19 October 2016 13:20
 
« StartPrev12345678910NextEnd »

Page 7 of 14

Translate

Portuguese English Spanish