Home Gastronomia
Gastronomia | Afinal, o que é caipirinha?
Monday, 17 April 2017 00:00


Para falarmos da caipirinha, antes temos que falar da cachaça, pinga, aguardente e os mais de mil termos que existem para ela. Por exemplo, o termo “pinga” surgiu do vapor produzido pelo lento processo necessário para fermentar o líquido, na medida em que, ao subir, se condensava no teto e pingava. E a pinga doía quando caía nos escravos, o que teria gerado outro nome: aguardente.

Ainda no período colonial, surgiu uma diferenciação entre a bebida importada e a nacional. Denominava-se “bagaceira” a bebida destilada importada de Portugal, enquanto se conhecia por “cachaça” a proveniente do Rio de Janeiro e de Minas Gerais.

Uma curiosidade e que o termo “cachaceiro”, que posteriormente seria a denominação dada ao alcoólatra, significava, na época, apenas o comerciante da bebida. O termo “cachaça”, aliás, é especificamente brasileiro.

O sucesso da bebida causou a inveja da Coroa Portuguesa, por ser exportada para o resto da Europa, o que a fez emitir a primeira medida proibitiva em 1639. Todavia, nunca se conseguiu alcançar, nem de longe, tal objetivo. Percebendo que a proibição jamais seria bem-sucedida, a Coroa preferiu render-se ao inimigo e explorá-lo a partir de diversos impostos naquela época.

Quanto à caipirinha, ela surgiu quando os escravos resolveram misturar à cachaça sucos de frutas que, como o limão, eram tradicionalmente ignorados pela elite “branca”. A bebida teve como antecedente a batida de limão, de origem também escrava, e tornou-se completa quando a ela foram adicionados açúcar e casca de limão.


O que é, afinal, a Caipirinha?


Segundo a definição presente no Decreto n° 4.800, de 2003, caipirinha é uma “bebida típica brasileira, com graduação alcoólica de quinze a trinta e seis por cento em volume, a vinte graus Celsius, batida exclusivamente com cachaça, acrescida de limão e açúcar”.

Tradicionalmente, a bebida é vista como mais fraca e mais aceitável socialmente, o que gera uma situação curiosa: o apreciador de caipirinha nem sempre é um apreciador de cachaça, considerada muito forte. Caipirinhas e batidas, de forma geral, são, desta forma, variantes mais festivas da cachaça; assim são vistas, assim são consumidas.

Uma curiosidade sobre o modo de preparo da Caipirinha é que não existe corte específico do limão, porém, a maioria dos bartenders diz que é necessária a retirada do miolo para não amargar o coquetel. Entretanto, o que poucos sabem é que o miolo é retirado, na maioria das vezes, para facilitar a extração do sumo do limão. E o óleo que sai da casca do limão é parte do sabor da caipirinha.

Você pode criar a variação da sua própria caipirinha, utilizando qualquer outra fruta, como morango, manga, abacaxi, uva, carambola e outras, desde que atenda o seu paladar. Outras variações foram criadas com outros destilados: vodca (caipirosca), rum (caipiríssima).

Vou deixar para vocês uma receita básica da caipirinha, lembrando que vai de acordo com o seu paladar.


CAIPIRINHA


Ingredientes:


• 1 dose de cachaça
• 1 limão taiti de casca fina
• 2 colheres de açúcar
• Gelo picado


Modo de Preparo:


Corte o limão ao meio, retire a parte branca do miolo; corte as duas partes do limão em fatias; monte o cocktail em copo “old-fashioned”, começando pelas fatias de limão. Acrescente o açúcar e amasse com um pilão. Coloque a cachaça, usando um mexedor, envolva o limão com o líquido. Complete com gelo picado, agite e sirva.




Chef Emerson Pita
Zootecnista e apaixonado por gastronomia. Cozinheiro profissional formado pelo Instituto de Gastronomia das Américas – IGA em 2011.


“Como Private Chef ofereço uma autêntica culinária brasileira combinada aos sabores de diversas partes do mundo.”

Facebook e Instagram: Chef Emerson Pita

Last Updated on Friday, 05 May 2017 15:24
 
« StartPrev111213141516NextEnd »

Page 15 of 16

Translate

Portuguese English Spanish