Home Espaço Mulher
Espaço Mulher | A VERDADE SOBRE AS VITAMINAS PRÉ-NATAIS


Você está grávida ou acabou de dar à luz? É bem provável que, em breve, você comece a procurar saber mais sobre vitamina pré-natal ou pós-natal para obter os nutrientes que você e o seu bebê precisam para ter uma boa saúde.


Mas você sabe o que são as vitaminas pré-natais? Sabe diferenciar o que elas “não são”? Por que isso importa? Por que o seu obstetra continua dizendo para tomar minha vitamina prénatal se você tem uma alimentação rica em vegetais, é vegetariana ou vegana e tenho uma vida muito saudável?


A resposta a essas perguntas é bastante simples e direta. Saiba mais sobre o que é importante na gravidez, as recomendações dos médicos e como escolher uma vitamina pré-natal. Neste artigo vamos responder tudo sobre as vitaminas pré-natais e outras preocupações dos casais grávidos, como, o tipo de vitamina a ser tomada, a regularidade do uso das vitaminas pré e pós-natal, entre outros tópicos como vitaminas tipo Gummies, náuseas e muito mais.

A verdade sobre as vitaminas pré-natais é que a maior parte do mundo não toma uma “vitamina pré-natal”, apenas ácido fólico. A pesquisa por trás da suplementação adequada de vitaminas na gravidez está centrada no ácido fólico e agora no DHA (ácido docosahexaenóico), um ácido graxo ômega-3. O resto dos ingredientes da “vitamina pré-natal” encontrada aqui nos Estados Unidos são suplementos vitamínicos padrão - não centrados na gravidez. Essas “vitaminas pré-natais” não seguem nenhuma orientação específica. A suplementação de vitaminas baseia-se na tentativa de aumentar o que pode faltar em uma dieta não balanceada ou diversificada. A dieta pode carecer da diversidade vegetal adequada e de alguns ácidos graxos essenciais - as vitaminas lipossolúveis A, D e K “ADEK”, vitaminas B, minerais raros, ferro e cálcio. No entanto, a discussão multivitamínica para as mulheres fora da gravidez é para outro dia, em um outro artigo.

No século passado, tornou-se um fato bem conhecido que a deficiência de ácido fólico levou ao aumento das taxas de espinha bífida (um defeito de nascença no qual há fechamento incompleto da coluna e das membranas ao redor da medula espinhal durante o desenvolvimento inicial na gravidez) e alguns raros defeitos cardíacos congênitos. Na dieta de uma mulher grávida, 400 mcg de folato ou ácido fólico (que são metabólitos um do outro) são necessários para apoiar o desenvolvimento fetal adequado - especialmente nas primeiras quatro a doze semanas de gravidez. Em essência, seus níveis de folato devem ser altos, se possível, um mês antes da gravidez. Ou seja, se você é capaz de planejar sua gravidez, deve tomar suplementação de um a dois meses antes de engravidar para ter um nível ideal de folato (ácido fólico). Ótimas fontes de dieta para alimentos ricos em folato são principalmente folhas verde-escuras, feijão, grãos inteiros, amendoim, sementes de girassol, frutas frescas e seus sucos, fígado bovino, frutos do mar, ovos e outros.

Por causa dessa conhecida deficiência de ácido fólico, tornou-se prática comum suplementar a dieta da população em geral com ácido fólico, especialmente em produtos à base de trigo, como cereais e pão. Nos Estados Unidos e no Canadá, há um mandato difundido de suplementação de folato foi instituído em 1998 e existe até hoje. De acordo com um estudo da Universidade de Harvard, estima-se que haja uma redução de 50% nas taxas de espinha bífida em bebês devido ao aumento de folatos nos alimentos. Hoje em dia, acredita-se que a deficiência de ácido fólico com base na dieta seja extremamente rara nos Estados Unidos; no entanto, o conselho de suplementação de folato ainda é válido em todo o mundo.

Em um artigo da Harvard Health, especifica-se ainda mais detalhes sobre os alimentos naturalmente contendo 100 microgramas de folato que podem ser usados para a suplementação do mesmo (fonte: USDA National Nutrient Database, www.nal.usda.gov): couves-de-bruxelas cozidas: 1 copo; couve ou mostarda, cozida: 1 copo; brócolis, congelado, cozido: 1 copo; aspargos cozidos: 5 lanças; espinafre cozido: ½ xícara; alcachofras cozidas: 1 copo; milho doce enlatado: 1 copo; suco de laranja: 1 copo; amendoim torrado a seco: ½ xícara; feijão seco, cozido: ½ xícara; lentilhas: ¼ xícara; sementes de girassol: ⅓ xícara.


A maioria das “vitaminas prénatais” contém bem mais do que a dosagem padrão de 400 mcg de folato ou recomendação de ácido fólico, principalmente devido a preocupações relacionadas à variação genética do potencial de absorção. Realmente, não existe “overdose” de ácido fólico, pois seu corpo eliminará qualquer coisa de que não precisa.


Há casos específicos em que seu obstetra recomendará uma dosagem de ácido fólico muito superior ao padrão, por exemplo, se você tem um histórico pessoal ou familiar de espinha bífida, está grávida de gêmeos ou tem um filho que nasceu com espinha bífida. Também há casos em que, se você tiver uma condição médica ou medicamentos que possam diminuir a absorção de ácido fólico, doses mais altas são recomendadas. Nestes casos, a recomendação geral é de 1000-4000mcg por dia. Sempre consulte seu médico antes de tomar qualquer medicamento, mesmo as vitaminas.

A suplementação de DHA é uma recomendação mais recente. É um ácido graxo ômega-3 essencial para o desenvolvimento do cérebro. Devido às preocupações relacionadas à exposição ao mercúrio e à recomendação de limitar o consumo de frutos do mar a 2 porções por semana - o consumo geral de DHA na dieta, especialmente nos países ocidentais, está abaixo do que se pensa ser o ideal. Nenhum nível específico seguro ou essencial foi estabelecido. As fontes desse ômega incluem óleos vegetais, frutos do mar (que devem ser consumidos com moderação) e suplementação. Portanto, este é o “por que” de muitas “vitaminas pré-natais” contêm DHA ou vêm com um suplemento de DHA separado.

Além de ácido fólico e DHA, não há outras recomendações específicas para a suplementação de vitaminas na gravidez. Existem casos relacionados a preocupações com anemia ou deficiência de cálcio que podem resultar da produção de leite ou da amamentação; no entanto, seu médico verificará seus hemogramas para anemia durante a gravidez. Se você consumir laticínios, a deficiência de cálcio é rara. Se você não consome laticínios, uma suplementação de cálcio também é recomendada.

Daqui se origina a “vitamina pré-natal” americana, uma abordagem genérica para deficiências dietéticas potenciais de ácido fólico e suplementação de DHA em mulheres que estão ou podem engravidar. Embora o ácido fólico seja um requisito nos Estados Unidos para ser vendido como uma “vitamina pré-natal”, o DHA não é, por isso as farmacêuticas fazem o marketing em torno de “pré-natal plus” ou “pré-natal com DHA”. O grande número de suplementos nesses tipos de vitaminas que não necessitam prescrição médica (medicamentos de balcão) com vitaminas em uma única pílula, faz com que o tamanho do comprimido seja bastante grande. Um comprimido maior pode ser difícil de engolir, portanto, procure algo revestido para facilitar a ingestão. Para aquelas mulheres que têm problemas para engolir um comprimido maior, existe uma “mini-pílula” no mercado. É mais caro e não contém a vasta gama de outras vitaminas. Minha recomendação pessoal é que, se você tiver problemas para engolir um comprimido maior, opte por separar seus suplementos. Por exemplo, você pode tomar DHA e ácido fólico separadamente - esses são os itens essenciais.


A SEGUIR SEGUEM ALGUMAS PERGUNTAS E RESPOSTAS À MEUS PACIENTES DURANTE SUAS VISITAS PRÉ E PÓS-NATAL:


DOUTORA STACEY, AS VITAMINAS DE GUMMIES SÃO EFICIENTES?

DRA. STACEY: As vitaminas pré-natal estilo gummy são excelentes. A maioria das marcas contém exatamente o mesmo que a versão sólida e nas mesmas quantidades. A ressalva é que as versões gomosas (tipo bala jujuba) têm dificuldade em ligar grandes íons positivos, ou seja, ferro e cálcio (Fe2 + e Ca2 +). Se você tem tendência à anemia ou não incorpora laticínios em sua dieta, deve considerar um suplemento de ferro ou cálcio além das gummies de pré-natal.


POR QUE SINTO TANTA NÁUSEA, ESPECIALMENTE APÓS TOMAR AS MINHAS VITAMINAS?

DRA. STACEY: Certos minerais raros podem causar náusea com o estômago vazio, especialmente o zinco. Certifique-se de tomar suas vitaminas pré-natais com alimentos. Além disso, algumas mulheres têm sensibilidade à suplementação de ferro. Se você está tendo náuseas com suas vitaminas pré-natais ou está tendo dificuldade em tomá-las devido à náusea da gravidez, converse com seu médico sobre como tomar gomas (gummies) ou ácido fólico e DHA separadamente.


EU SIGO UMA DIETA VEGETARIANA E VEGANA. POSSO PULAR AS VITAMINAS? HÁ ALGUMA INFORMAÇÃO EXTRA QUE PRECISO SABER?

DRA. STACEY: Sim. Infelizmente, na cultura ocidental, as dietas vegetarianas e veganas são propensas a alto teor de carboidratos e podem carecer de nutrientes essenciais. Eu recomendo fortemente um suplemento pré-natal completo, bem como um suplemento de ferro adicional. Para aqueles de nós que não consomem proteínas animais, estamos sujeitos a fraqueza do tecido conjuntivo e muscular, bem como à anemia. Se você é vegetariana ou vegana e está grávida, é especialmente importante se concentrar na ingestão de proteínas e também tomar um suplemento de ferro. É por isso que muitos médicos recomendam um suplemento de proteína, uma vez ao dia, que geralmente vem na forma de “batida” (shake). No entanto, você pode obter os suplementos de que precisa dieteticamente. Consulte seu médico para este caso.


POR QUE HÁ ALGUMAS VITAMINAS PRÉ-NATAIS TÃO MAIS CARAS QUE OUTRAS? ELAS SÃO MELHORES?

DRA. STACEY: Honestamente, os preços inflacionados de algumas vitaminas pré-natais são um “blefe” de marketing. Se você for cuidadoso sobre o abastecimento (ou seja, você tem preferências sobre onde ele é feito) ou atribui garantias sobre cápsulas “orgânicas” ou “vegetarianas”, é daí que vem principalmente a disparidade em relação aos preços. Lembre-se de que nenhum desses suplementos são “cultivados”, portanto, não há exposição a pesticidas, portanto, isso invalida qualquer alegação sobre “orgânico” no sentido tradicional. É verdade que algumas cápsulas revestidas contêm materiais à base de bovinos (gelatina). Se isso for contra suas preferências, certifique-se de procurar cápsulas vegetais que geralmente são feitas de celulose e não são necessariamente mais caras do que o revestimento de gelatina.

Concluindo, a “vitamina pré-natal” americana é um balcão único que supostamente complementa qualquer tipo de dieta ou estilo de vida para melhor apoiar as mulheres grávidas durante a gravidez e amamentação. Você deve continuar a tomar sua vitamina pré-natal até que seu filho desmame. No entanto, muitos de nós temos desafios e preferências diferentes, como tamanho da pílula, problemas com náuseas, indicações médicas e necessidades dietéticas. Certifique-se de discutir com seu obstetra se tiver dúvidas sobre sua vitamina pré-natal e verifique a lista de ingredientes para ácido fólico e DHA!


Você tem dúvidas sobre obstetrícia, gravidez, amamentação ou sobre a saúde da mulher em geral? Envie suas perguntas e responderei em nosso próximo artigo!



Dra. Stacey Pereira
Ginecologista

 
« StartPrev1234NextEnd »

Page 1 of 4

Translate

Portuguese English Spanish